terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Trajetória e reflexões de 2008

Tou ouvindo Oswaldo Montenegro... algumas músicas, como Bandolins, me deixaram refelxiva... Ajudou nessa reflexão o fato de eu estar arrumando as coisas e encontrar fotos de um aniversário meu logo depois que cheguei em Salvador pela segunda vez em 1998... Na foto, Beu me abraçava sorridente... Al e Mamy também estão nessa foto.

Ex é ex... mas eu reconheço que acabar qualquer relacionamento, especialmente um casamento, é uma decisão difícil. Que pessoa é essa que estamos magoando e marcando para sempre com o nosso desdém? Eu tenho sobre minha responsabilidade essa decisão... e algumas outras que vieram depois, mas em menor grau de complexidade e afeto...

Beu é um cara legal que realmente me amou... devemos ter muito cuidado com as pessoas que nos amam ou amaram de verdade, porque esses sentimentos não brotam todos os dias... nem quando queremos... Eu fui totalmente apixonada por ele. Foi eu primeiro namorado e eu tinha 15 anos... Vou resumir uma vida em dois parágrafos... Um ano de namoro, cheio de romantismo, uma discussão apenas e muita coisa compartilhada depois, chegamos ao sexo. Um ano de relacionamento depois!!!!!! Tudo bem que eu era virgem, mas eu fico pensando nas relações relâmpago de hoje... Sexo sem sentimento não vale a pena... não para mim. Até mesmo numa aventura, deve haver algo que mexa e faça valer a pena... Sexo não é só o atrito de órgãos genitais... Ah... deixa pra lá... voltando a história, em três meses de sexo, fazendo tabelinha, eu engravidei de Al. Eu tinha 16 anos e Beu 21...

Não me arrepdendo jamais dessa "precocidade"... acho que tem coisas que têm mesmo que acontecer... Mas só quero deixar bem claro: não é fácil ser mãe aos 17 anos! Especialmente se você tem um projeto de vida... Bom, a vida tomou um rumo diferente... Engravidei de Binho ainda amamentando Al... Aos 18 eu era mãe de dois meninos... Não sei o que seria diferente se fosse tudo planejado e cinco ou dez anos depois... O que seria de minha vida se eu fosse mãe em 2007 e não em 1997?????? Quem sabe?

Entrei na primeira faculdade com 21... era particular. Sa dois anos depois e com 23 fiz vestibular e entrei na UFRPE. Trabalhava em um laboratório de Análises Clínicas em outra cidade de manhã, num Centro de pesquisas era bolsista do CNPq a tarde e universidade à noite... Terminei meu curso que tem duração de cinco anos em quatro anos e meio. Fui líder de DA nesse período... Bem antes de me formar já era professora com carteira assinada e tudo... em duas, três escolas... Meu tempo nunca foi muito em casa... Mas criei meus filhos... E dei e dou pra eles uma coisa que não tem preço: amor... Se pudesse, mudaria alaguma coisa? Sim, claro... Por que a vida é sempre tão dura, heim? Talvez eu valorize muito tudo que tenho por isso... njnca consegui nada fácil na vida... Reflita: o que a vida já te deu de mão beijada? Você valorizou?

Eu sempre achei que Beu poderia trabalhar tanto quanto eu... E confesso que ficaria feliz se ele não largasse a UFPE no sexto semestre... Talvez hoje ele se arrependa disso. Acho que a graduaação a gente tem mesmo que fazer... e convenhamos, eu fiz com sacrifíco mesmo... não exagero nada do que digo...

Não vou terminar esse relato hoje... Mison tá aqui e pediu pra usar o micro... Amanhã ela viaja com parte da mudança dela. São 23:33 e tou cansada... Ainda não consegui arrumar tudo... Binho e Lázaro aramaram meu guarda-roupa hoje Tive prejuízo nessa mudança: o vidro de uma mesa foi quebrado, arranhram a porta do guarda-roupa, que também teve uma porta que ficou empenada. O dono do caminhão culpou os ajudantes, que foram contratados por fora... enfim, eles não eram mesmo cuidadosos como deveriam.

Não vou mais pra Santa Inês... não por agora... Talvez lá pro dia 16... mas sou mutável... posso muar de idéia...

O almoço no domingo foi legal... veio todo mundo e mais Marcelo e a família. Mison já decidiu que ele vai ser o orientador dela no doutourado da UFBA... Mas só aqui há dois anos, quando ela sai do probatório...

A convivência com Jair é bem tranquila e já conheci duas das amigaas (ou pretendentes??) dele (risos)... Os meus pretendentes, dificilmente apresento... Só depois de estar mais consolidado... e essa consolidação não ocorre com frequência... Mas enfim, tou disposta a ser mais organizada e tou tendo mais gosto em deixar a casa bem bonitinha... Eu mudei! (risos)

Vamos dormir?

3 comentários:

José Rosa Soares Filho disse...

Querida amiga, dois comentários:

1- Já disse algum poeta que não me recordo o nome: "amar é um verbo que não se conjuga no passado, caso contrário não seria amor". Amor de verdade é para o resto da vida !

2- Meu velho pai, um tanto quanto cansado de tanta mudança nessa vida, dizia que a cada seis era tanta coisa quebrada, amassada, riscada e com defeito, que era como se tivesse que comprar uma casa toda nova... comprovei isso com minha experiência de vida.

beijo grande !

Musa disse...

Sabe, Zé, eu concordo plenamente. O amor não morre...a modalidade de sentimentos adjacentes é que pode mudar...

É, mudar dá trabalho, mas cada etapa da mudança tb reflete uma busca... a minha smepre foi de melhoria de alguma coisa... umas coisas ali, outras aqui...

Já fez seu projeto pra UNEB? É até o dia 15!

Super abraço!

José Rosa disse...

Estou ficando doidinho (mais ainda), é Musa, é Amzona, é Labo B, ô criatura... multifacetada.

Projeto pra Uneb ? Não é uma produção? Estou fazendo um artigo sobre Software Livre.

Sabe aquele papo sobre tesão ? O outro ? Não me recordo, se me perguntar de pronto, quantas graduações já fiz... Só sei que ainda quero (e isso com vestibular e em Universidade pública) fazer História, adoro História !
Acho que o meu (tesão) para Mestrado anda acabando...
Talvez a funilinha (lembra do funil mais a palelinha, foi inspirãção sua) , e tem mais...
Não consigo muito conviver com essa dicotomia Teoria X Prática, e fico pensando como podemos estudar e conviver num curso moderno onde a tecnologia deveria ser mais que uma ferramenta, inclusive, se nem ao menos conseguimos usar a própria tecnologia no seu aspecto ferramental...
O que coloco agora é apenas um exemplo: a participação dos colegas (aqui lato sensu, porque independente se um professor é mestre, doutor, PHD, etc, acredito que somos todos colegas, de quem dá aulas para crianças até o mais graduado doutor e pesquisador entre nós) nos diversos fóruns que foram criados no Moodle-Uneb foi ínfima, pelo menos na minha avaliação, as potencialidades de colaboração que foram abertas foram aproveitadas apenas por uma pequena parcela da turma.
bem, seja lá o que me aguarde para 2008, Mestrado na Uneb anda um tanto quanto distante...